acho que deve ser próprio da condição humana, mas, bastas vezes, só valorizamos o que tinhamos quando o perdemos.