é incrível como é que, às vezes, o pouco pode ser suficiente, quando não conseguimos perspectivar o quando do muito.