ontem já ía no final da marginal, passava das onze e meia da noite, tinha estado uma noite horrível que me sitiou dentro de um gabinete sem hipótese de ir espreitar o treino, e ouço o meu telemóvel dar sinal de mensagem.
“beijinho Ana”, somente.
tínhamos acabado de estar juntas. em poucos minutos actualizámos o que se vai passando connosco, sem tempo para mais. mas tinha-me sabido bem aquele bocadinho de partilha. e depois aquela mensagem fez-me sentir que, para mim, o melhor do mundo é ter pessoas na nossa vida.