um dos mitos que existem sobre as mulheres é que quando dizem não, querem dizer sim, e outras coisas assim elaboradas, as quais eu nunca entendi porque nunca as pus em prática.
mas com a ajuda da maria [claro que eu sózinha nunca lá chegaria, básica como sou!] descobri que tenho, também, uma pequena sofisticação, digamos assim. quando começo a bocejar demasiado, é porque estou com fome. lembrei-me disso agora, porque lá está, estava aqui entretidita a fazer uns lançamentos a débito e os correspondentes a crédito, claro está, e dei por mim a abrir repetidamente a boca. pensei “nãã, isto não é sonolência, claro que não, como raio se pode ter sono a lançar coisas a débito e logo a seguir o crédito? é fome, claro!”. pronto, e vai daí que já fui buscar dois iogurtes – pequenitos, que não sou nenhuma alarve!

e já que estou com a mão na massa, aproveito para esclarecer uma coisinha, a todos e todas que tiveram de conviver comigo entre 1996 a 2004 – aquilo que viam não era mau feitio, era fome, mesmo! que eu até sou um doce de pessoa!